segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Prefeitura de Juazeiro demite 1.200

Do Correio da Bahia - Cerca de 1200 funcionários da Prefeitura Municipal de Juazeiro, a 511 quilômetros de Salvador, foram demitidos nesta segunda-feira (13). A maioria dos dispensados, aproximadamente 600, eram vinculados à Secretaria da Saúde.

Apesar do corte de um terço no quadro de funcionários do setor, a Prefeitura defende-se dizendo que não haverá impacto no atendimento aos cidadãos. Segundo o secretário de Administração e Fazenda do município, Jorge Nascimento, a medida não foi uma retaliação à derrota nas eleições do atual prefeito Misael Aguilar Silva Jr.(PMDB). “Tivemos que demitir os funcionários para pagar uma dívida com a União que existe desde a década de 90. O valor do débito já chega a R$ 5,4 milhões e se mantivéssemos o quadro de servidores não teríamos como pagar”, completa o secretário.

A expectativa do município é de que seja feita uma economia de R$ 2,4 milhões com a demissão dos servidores até dezembro (final da gestão do prefeito Misael). Nascimento afirma que a decisão de demissão foi inevitável, pois a Prefeitura não teria como efetuar o pagamento dos salários dos servidores e da dívida como a União. O pagamento dos direitos trabalhistas dos servidores demitidos não serão feitos imediatamente. Isso, porque as rescisões estão condicionadas a decisões judiciais. No entanto, o período de demissão na cidade ainda não acabou.

Segundo informações da Prefeitura, ainda será avaliada a necessidade de quebrar o contrato de pelo menos mais 300 funcionários para amortização da dívida com a União.

2 comentários:

VAL disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
val disse...

Sim, foi uma retaliação! Uma pessoa de minha família foi demitida pelo fato dela não ter comparecido em todas as caminhadas do candidato Misael Aguilar, esta foi a desculpa da Secretaria de Saúde de Juazeiro-BA no momento da escolha de quem iria sair.
Os funcionários falam que será atingido alguns atendimentos e também os serviços terão queda na qualidade.
Estou indignado!